Shu-ha-ri e a culinária, no que eles são parecidos?

Shu-ha-ri e a culinária, no que eles são parecidos?

Nesses tempos de Pandemia é natural estarmos mais ligados a novos programas, lives e etc… bom.. estava nesse final de semana com as crianças e minha filha mais velha gosta de ver alguns programas de culinária… tipo competições de sobremesa e afins. Para minha surpresa ela estava vendo um programa chamado The Final Table.

“The Final Table é uma competição de culinária americana e uma série de reality shows hospedada pelo escritor e crítico de culinária Andrew Knowlton e filmada em Los Angeles, Califórnia, para a Netflix.”

Aproveitei pra acompanhar o programa e vi um grupo de chefs de cozinha participando de uma competição onde envolvia inicialmente 20 a 24 chefs organizados em duplas, que se conheciam ou não, mas que tinham como desafio elaborar inicialmente pratos com uma temática, por Países. No final de 1 hora de trabalho, eles apresentavam seus pratos e um grupo de 3 jurados realizam a degustação e escolhiam o melhor prato da noite. Além disso, escolhiam também os 3 priores pratos da noite, ou aqueles que não atenderam as expectativas. Essas 3 duplas passavam então por outra etapa do desafio tento que cozinhar com um ingrediente específico daquele Pais, escolhido por um Grande Chef.

Bom mas o que isso tem a ver com o Shu-ha-ri?

Quando falamos de Shu-ha-ri em nossos treinamentos de Management 3.0, utilizamos a seguinte imagem:

Explicação do Shu-ha-ri nos treinamentos de Management 3.0

Procuramos frisar o quão hábil alguém é em determinado assunto, mostrando que o nível iniciante (shu) é aquele momento em que um profissional simplesmente repete um trabalho ou instrução sem questionar muito o como aquilo é feito e por que é feito daquela forma.

O nível praticante (ha), é um dos níveis mais amplos que temos, uma vez que leva-se muito tempo para desenvolver experiência e questionamentos sobre o uso de algo para que se tenha então a grande sacada de bolar novas formas.

O nível expert ou seja o Ri, em nosso modelo, envolve sair da forma e criar novos conceitos, novas aplicações.. etc..

Obs: utilizamos o termo expert ao invés de especialista para não passarmos a ideia de que especialista é quem tem uma certificação ou comprovação de especialista. Aqui entendemos que expert é quem conseguiu dominar algo a ponto de modificar sua forma, aplicação, etc.

O conceito de Shu-ha-ri é trabalhado em conjunto com a técnica de Matriz de Competências que serve para auxiliarmos equipes a identificar as lacunas em nossa experiência profissional individual. Claro que tal técnica pode ser abordada para evolução da equipe e como meio de equalizar as ações de treinamento. Cada matriz de competência da equipe se concentra em um único projeto. Defina os requisitos de competência que sua equipe deve ter para atingir esses objetivos. Você pode categorizá-los por exemplo como:

  • Tópicos e Assunto Importantes
  • Ferramentas e Tecnologias
  • Processos e Práticas
  • Habilidades interpessoais

Normalmente atribuímos que um expert seja alguém que possui um conjunto de certificações ou anos de experiência em determinada área, já que isso permite “mensurarmos” mais fácil a habilidade de alguém, mas nem sempre isso é a melhor forma de mensuramos tal habilidade. e a Shu-ha-ri nos da justamente essa visão. Permitindo visualizar um expert baseado em sua capacidade de “sair” da forma, ou seja, abordar conhecimentos já adquiridos em outros contextos ou unificar conceitos controversos em uma única aplicação

O que me chamou atenção no programa foi justamente o fato de termos 20 a 24 especialistas criando forma e sabores incríveis a partir de seus próprios valores (aqui chamo de valores os princípios por trás das cozinhas as quais eles pertencem e praticam). Para vocês terem ideia o primeiro episódio tratava de cozinhar pratos da culinária mexicana e para isso escolheram o Taco como prato de referencia. Uma das equipes tinha como motivação utilizar a conceito de comidas sustentáveis e para tanto elaboraram um prato que combinava cactos e grilos fritos… incrível os juízes comeram kkkkk. Tai a fotinho do prato, se não acredita só assistir o primeiro episódio.

Resultado, tivemos diversos pratos fantásticos, utilizando ingredientes mais diversos possíveis e a reinvenção dos conceitos daquele prato em sua essência. Essa talvez, tenha sido a melhor exibição de um especialista na visão do Shu-ra-hi que eu pude conhecer em alguns anos atuando com times e ensinando sobre management.

Quer saber mais sobre o management 3.0, confere os nossos workshop. http://www.penox.com.br/gestao-3-0 ou então acessa o nosso blog https://www.penox.com.br/blog-penox/

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *