O Modelo de Maturidade Kanban

O Modelo de Maturidade Kanban

Esse post foi escrito inicialmente em abril de 2018, quando ainda falávamos do nível 1.0 do modelo de maturidade. Resolvi usar o mesmo para atualizar a visão agora que temos um modelo na versão 1.2. Para aqueles que querem conhecer sobre o modelo pode ser interessante se inscrever no site do Kanban Maturity Model

O Modelo de Maturidade Kanban – KMM aparece como resposta ao desafio que muitas organizações enfrentam para obter resultados consistentes. Auxilia na resistência a mudança e na introdução adequada às práticas necessárias para a condução de uma organização resiliente, robusta e, por fim, antifrágil. Surge principalmente da necessidade de democratizar a adoção do Método Kanban, trazendo assim na sua adoção os benefícios de mais de uma década de seu uso em organizações grandes e pequenas ao redor do mundo. Podemos sintetizar que o KMM é um roteiro (roadmap) para melhorar uma organização por meio da evolução gerenciada.

Os três pilares do KMM: Cultura, práticas e resultados

Três Pilares do KMM

O KMM pauta-se em três pilares: cultura, práticas e resultados. O pilar da cultura está relacionado aos valores e princípios das pessoas, sejam esses explícitos, ou seja, documentados ou implícitos, aqueles que são comuns a um grupo sem necessariamente estar escrito em algum lugar. Esse pilar descreve o que as pessoas valorizam, como vivem e sua identidade. O pilar de práticas está relacionado às atividades, medidas e métricas utilizadas, estruturas de decisões, rotinas, hábitos, etc. Basicamente está relacionado a ações e padrões que podem ser observáveis. A prática é “como fazemos as coisas por aqui”. Os resultados descrevem “a aparência do seu negócio” para clientes, usuários e stakeholders. Também indicam se nosso negócio é sustentável, robusto e tem probabilidade de sobreviver a longo prazo. Aqui pode-se falar um pouco sobre sobrevivência de longo prazo, um negócio apto ao propósito, resiliente, anti-frágil.  Talvez você me pergunte ok e a “Managed Evolution” que está ai no meio da figura? Bom o modelo de mudança evolucionária (ou evolutiva) é o elemento que une a cultura, práticas e resultados. O foco desse modelo é permitir que as melhorias sejam robustas e sustentáveis.

Visão Geral do KMM

O KMM apresenta sete níveis de maturidade organizacional, numerados de 0 a 6. Esse níveis são descritos pela coleção de culturas, práticas e características dos resultados de negócios. Um aspecto importante da abordagem do KMM é que você pode utilizá-lo desde sua aplicação pessoal (nível 0), em times (nível 1 e 2) até mesmo uma abordagem focada no propósito (nível 3 e 4). Olhando as colunas temos qual o foco de cada nível (quem eu sou, quem somos, por que existimos, etc.), os valores que estão sendo almejados (colaboração, transparência, liderança e fluxo) e a abordagem de liderança (individual, tribal, orientada ao propósito). Essas separações nos ajudam a entender como as práticas do método Kanban e demais práticas de coaching estão sendo abordadas.  Particularmente gosto bastante da coluna de valores e benefícios de cada nível que nos auxiliar a enxergar um norte sobre o que devemos buscar na aplicação do método e quais melhorias podemos almejar.

Visão Geral do KMM, versão 1.2

Outro ponto importante no uso do KMM é entender que se trata de um modelo de maturidade, ou seja, não adianta simplesmente colocar uma meta de alcançar o nível X sem entender os verdadeiros valores e cultura necessários a sua adoção. Muito se tem que mudar em termos de cultura e práticas para que uma evolução de nível seja alcançada, pra isso temos os “sub-níveis” de transição e consolidação que pode ser visto no pôster de práticas gerais do KMM, se você ainda não baixou, acessa aqui.

Entre os benefícios que se almeja alcançar com a adoção do KMM estão:

  • alívio da sobrecarga;
  • coesão da força de trabalho e realização do funcionário;
  • atender às expectativas do cliente;
  • entregar satisfação aos clientes;
  • desempenho econômico previsível e sustentável e robustez financeira;
  • agilidade organizacional;
  • congruência da tomada de decisão;
  • entre outros.

Arquitetura do Modelo de Maturidade Kanban

O nível de maturidade de uma organização no KMM é amplamente determinado pela adoção das 6 práticas Kanban. A aplicação total de práticas de alta qualidade leva ao mais alto grau de maturidade, enquanto que a não aplicação ou aplicação incompleta para um menor grau de maturidade. Só para relembrar as práticas são:

  • Visualize (o trabalho, o fluxo de trabalho e os riscos do negócio)
  • Limitar WIP
  • Gerenciar fluxo
  • Tornar o processo explícito
  • Implementar Loops de Feedback
  • Melhorar colaborativamente e evoluir experimentalmente.

É claro que não podemos deixar de citar sobre os princípios de mudança e de entrega de serviços que são os conceitos que permitem a sinergia entre as práticas.  Abaixo você pode ver como as práticas estão presentes em todos os níveis da arquitetura do KMM, e visualizar também os “sub-niveis” de transição e consolidação que citei anteriormente. O pôster de práticas gerais tem o detalhamento de como cada uma das práticas do método kanban se ajustam a cada um dos níveis. Aproveito pra chamar a atenção para como os níveis 0, 1 e 2, se pautam no desempenho individual, quase um heroísmo para que as coisas aconteçam e também o quanto o propósito organizacional ainda não é presente nesses níveis.

Arquitetura KMM (fonte: Livro KMM 1.2)

 

Estendendo o KMM

Apesar das inúmeras práticas e do incrível detalhamento existente no modelo 1.2 do KMM é possível que alguns aspectos organizacionais não estejam presentes nesse corpo de conhecimento.  Para tanto foi previsto a possibilidade de extensão do modelo KMM, denominando assim KMMX, entre as possibilidades já identificadas estão:

  • KMMX para projeto, programas e portfólio (PPPM)
  • KMMX para Fit-for-purpose (F4P)
  • KMMX para Planejamento de Serviços Organizacionais (ESP)
  • KMMX para Projeto de Organizacional de Orientação ao Serviço (SOO)
  • KMMX para liderança.

A ideia da atualização desse post era trazer um pouco das novidades desse modelo na sua versão 1.2 que está bem completo e com abordagens bem interessantes para guiar a maturidade das organizações. Se você gostou, deixe seu comentário e nos diga sobre o que você gostaria que nos aprofundássemos tanto sobre Kanban quanto KMM.

 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *