Como avaliar a atuação de um Agile Coach?

Como avaliar a atuação de um Agile Coach?

Essa semana participei de uma entrevista e me fizeram uma pergunta que me causou um pouco de espanto. Na verdade fiquei pensando na pergunta um tempo e respondi depois de refletir um pouco. Que pergunta foi essa?

Como vamos avaliar a sua atuação como Agile Coach?

Confesso que pensei um pouco, soltei uma gracinha falando que é como a TI, se você não lembra dela significa que ela está funcionando. As pessoas na sala riram um pouco e eu complementei que na verdade a atuação de um Agile Coach está ligada a evolução do time. Se o time está melhorando significa que o Agile Coach está atingindo sucesso na sua atuação.

Claro que é fácil falar que o time está evoluindo se ele entrega frequente, se os números melhoram , etc. .mais quais são esses números? Como medir essa evolução? Na hora me lembrei de um post do blog da K21 – Até onde vai a agilidade. Esse post traz a ideia das 4 Dimensões que pode-se olhar para trabalhar a agilidade. Então basicamente, se conseguimos mensurar a evolução das dimensões estamos evoluindo, podemos até utilizar um Assessment. Como o visto abaixo:

4Dominios_palavras

Resultado de imagem para assessment ágil

Fonte: https://www.knowledge21.com.br/blog/ate-onde-vai-agilidade/

Mas estamos falando do time e a pergunta é: Como avaliar a atuação do agile coach?

Lendo o blog do Rafael Buzon, vi um post interessante sobre o que o agile coach deveria estar fazendo. Entendi que é uma ideia bem bacana e próximo do empirismo necessário aos métodos ágeis. Vamos reproduzir aqui as etapas:

1 – Estudar os elementos

Sabe-se que a atuação do Agile Coach não está ligada somente ao time, então ela deve abranger elementos específicos, partindo do menor grão para o maior, ou seja: o indivíduo; a equipe e a organização.

2 – Testar Hipóteses

Outra atividade que um Agile Coach deve realizar é o teste de hipóteses, que nada mais é do que experimentar novos elementos, incluindo práticas e conhecimentos para que possa se desenvolver tanto o indivíduo, a equipe e a organização.

3 – Facilitar mudanças

Assim que uma oportunidade surgir e as hipóteses estiverem corretas, o Agile Coach deve trabalhar pra criar o hábito e promover tal comportamento para que a mudança seja natural e se arraigue a cultura, uma das dimensões mais difíceis de se trabalhar na agilidade. Aqui entram então ferramentas como: mentoria, coaching, facilitação, treinamentos, etc…

Ok, mas de onde você está tirando isso?

Lendo um post da Lyssa Adkins no MindSettlers que fala sobre as Competências do Agile Coach. Podemos entende as 8 dimensões que essa autora propõem.

Agile-Coach-Competency-Framework-ACI

O praticante Lean & Ágil

Capacidade do Agile Coach em aprender, compreender as estruturas e princípios Lean e ágeis. Não somente no nível de suas práticas mas dos princípios e valores subjacentes às práticas que permitem a aplicação apropriada, bem como a inovação.

Coaching Profissional

Capacidade de atuar como coach, com o interesse do cliente determinando a direção, em vez da experiência ou opinião do coach.

Facilitando

Detentor de processo neutro que orienta o processo de descoberta do indivíduo, da equipe ou da organização, mantendo o objetivo e a definição de sucesso.

Mentoria

Capacidade de transmitir a experiência, o conhecimento e a orientação de uma pessoa para ajudar no crescimento de outra pessoa nos mesmos domínios de conhecimento ou semelhantes.

Ensino

Capacidade de oferecer o conhecimento certo, no momento certo, ensinado da maneira correta, para que indivíduos, equipes e organizações metabolizem o conhecimento para o seu melhor benefício.

Maestria Técnica

Capacidade de sujar as mãos arquitetando, projetando, codificando, testando engenharia ou realizando alguma outra prática técnica, com foco na promoção de habilidades técnicas através do exemplo e do ensino. Experiência em padrões ou estruturas de escalonamento ágil.

Maestria de negócios

Capacidade de aplicar estruturas de gestão e estratégia de negócios para empregar ágil como uma vantagem comercial competitiva, como Lean Start-Up, técnicas de inovação de produtos, abordagens de gerenciamento de processos de negócios baseadas em fluxo e outras técnicas relacionadas à inovação no domínio de negócios.

Maestria da Transformação

Capacidade de facilitar, catalisar e (conforme apropriado) liderar mudanças e transformações organizacionais. Essa área se baseia no gerenciamento de mudanças, na cultura organizacional, no desenvolvimento organizacional, no pensamento sistêmico e em outras ciências comportamentais.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *